Coordenadores: saibam como as metodologias ágeis auxiliam na gestão dos educadores

4 min

Com o avanço da tecnologia e o surgimento de novos métodos de gestão, é importante que coordenadores pedagógicos estejam sempre atualizados e busquem soluções inovadoras para otimizar sua atuação. Uma dessas soluções é o uso das metodologias ágeis na gestão dos educadores.

A metodologia ágil é baseada em valores e princípios que promovem a flexibilidade, a agilidade e a colaboração, tornando-a ideal para a gestão de equipes e projetos. Aplicada ao contexto da educação, pode ser uma ferramenta valiosa para os coordenadores pedagógicos na gestão dos educadores.


Mas quais os benefícios no uso de metodologias ágeis na gestão escolar?

A utilização de metodologias ágeis na gestão escolar pode trazer uma série de mudanças positivas na relação entre o coordenador pedagógico e os educadores. Algumas dessas mudanças incluem:

  • Maior colaboração – Com o enfoque em valores como flexibilidade, agilidade e colaboração, as metodologias ágeis promovem maior interação entre o coordenador e os educadores. Isso permite que haja troca constante de ideias e feedbacks, o que pode melhorar o desempenho dos educadores e resultar em um trabalho mais eficiente.

  • Ajustes constantes – As metodologias ágeis permitem ajustes constantes ao longo do processo, o que é fundamental em um ambiente de ensino que está sempre se adaptando a mudanças. O coordenador pedagógico pode acompanhar o desempenho dos educadores e fazer ajustes no planejamento e na execução das atividades, garantindo que o trabalho seja realizado de forma eficiente e eficaz.

  • Transparência e visibilidade – Com o uso de ferramentas visuais, é possível acompanhar o fluxo de trabalho e garantir a transparência do processo. Isso aumenta a confiança e a transparência na relação entre o coordenador pedagógico e os educadores.

  • Foco em resultados – As metodologias ágeis têm como objetivo entregar resultados de forma eficiente e frequente, o que incentiva, obviamente, o foco em resultados. Isso significa que o coordenador pedagógico e os educadores estarão concentrados em atingir metas e alcançar sucesso em vez de se concentrarem em processos burocráticos ou administrativos.


Quais metodologias ágeis podem ser usadas?

Entre as metodologias ágeis mais utilizadas para a gestão de equipes estão o Scrum, o Kanban e o Extreme Programming (XP). O Scrum é uma metodologia ágil baseada em ciclos curtos de desenvolvimento e revisão, garantindo a entrega de resultados de forma frequente e eficiente.

Já o Kanban é uma metodologia visual que utiliza quadros para acompanhar o fluxo de trabalho, garantindo a organização e a transparência do processo. Por fim, o Extreme Programming (XP) é uma metodologia que valoriza a programação em dupla, a revisão constante do código e a realização de testes frequentes, garantindo a qualidade e a eficiência do trabalho.


Como usar essas metodologias ágeis?

1. Scrum

Imagine que o coordenador pedagógico deseja melhorar a qualidade das atividades pedagógicas desenvolvidas pelos educadores ao longo do trimestre. Ele pode utilizar o Scrum para isso, criando Sprints de duas semanas para cada trimestre. Durante esses Sprints, o coordenador e os educadores se reúnem para definir metas específicas para as próximas duas semanas e planejar as atividades necessárias para atingi-las.

Ao final de cada Sprint, há uma revisão para avaliar os resultados alcançados e uma retrospectiva para identificar pontos de melhoria para o próximo Sprint. Essas reuniões regulares promovem a colaboração entre o coordenador e os educadores, possibilitando ajustes constantes e foco em resultados ao longo do trimestre.

2. Kanban

Para gerenciar o fluxo de trabalho dos educadores de forma mais visual e transparente, o coordenador pedagógico pode utilizar o Kanban. Ele pode criar um quadro Kanban com colunas representando diferentes etapas do processo de ensino, como Planejamento, Execução e Avaliação.

Cada atividade ou projeto é representado por um cartão, que é movido pelas colunas conforme progride. O coordenador e os educadores podem utilizar reuniões regulares para revisar o quadro e identificar gargalos ou atividades atrasadas, facilitando o ajuste de prioridades e a distribuição equitativa de trabalho.


3. Extreme Programming (XP)

Para promover a qualidade do conteúdo didático e das atividades propostas pelos educadores, o coordenador pedagógico pode aplicar os princípios do XP. Por exemplo, ele pode incentivar o trabalho em pares, em que dois educadores colaboram para desenvolver um plano de aula ou material didático.

Dessa forma, é possível aproveitar a expertise de cada um e garantir que as atividades sejam abrangentes e bem-estruturadas. Além disso, o coordenador pode incentivar revisões constantes do material produzido, estimulando feedbacks construtivos entre os educadores. Também é possível estabelecer práticas de revisão de conteúdo pelos pares para garantir a qualidade e a precisão dos materiais apresentados aos estudantes.


Esses exemplos ilustram como as metodologias ágeis podem ser aplicadas na gestão entre coordenadores pedagógicos e educadores, promovendo a colaboração, a transparência e o foco em resultados. Ao utilizar o Scrum, o Kanban e o XP, os coordenadores pedagógicos podem otimizar a gestão dos educadores, garantindo que as atividades pedagógicas sejam bem-planejadas, executadas com eficiência e com qualidade, resultando em um ambiente de ensino mais produtivo e alinhado com os objetivos da instituição educacional.

Por fim, é importante destacar que o uso das metodologias ágeis na gestão dos educadores promove a autonomia e a responsabilidade da equipe. Com a possibilidade de participar ativamente do processo, os educadores se sentem mais envolvidos e comprometidos com o sucesso do trabalho.

 


 

Pedro Brandão

Pedro Brandão

Coordenador-geral da assessoria pedagógica do Be - Bilingual Education, formado em Letras pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) e pelo Marietta College (EUA). Especialista em Educação Bilíngue pelo Instituto Singularidades, com certificado CELTA pela Stafford House (UK). Educador há 16 anos, com experiência em docência, coordenação, assessoria pedagógica e administração escolar em centros de idiomas, escolas bilíngues e internacionais. Educador e formador de educadores em escolas de ensino básico, da Educação Infantil ao Ensino Médio.
Search

Conteúdos mais lidos

No atual cenário de expansão da Educação Bilíngue no Brasil, muitas famílias trazem questionamentos às escolas quanto ao processo de

O que a sua mãe, a Agência de Inteligência Britânica e a polícia da cidade de Hague, na Holanda, têm