Qual é o valor dos itinerários formativos para escolas, com ou sem o Novo Ensino Médio?

9 min

Por que foi implementado o Novo Ensino Médio?

O Novo Ensino Médio foi implementado para tornar a educação mais adequada às necessidades e demandas dos estudantes, bem como para melhorar a qualidade do ensino no país.

 

Entre as razões para a sua implementação, podemos destacar:

 

  1. Melhorar a qualidade do ensino – Com o novo modelo de ensino, espera-se que os estudantes tenham mais interesse e motivação para aprender, resultando no aumento da qualidade do ensino.
  2. Oferecer mais opções aos estudantes – Com as novas opções de itinerários formativos, os estudantes poderão escolher as matérias e atividades de que mais gostam e que estejam mais alinhadas aos seus objetivos futuros.
  3. Preparar os estudantes para o mercado de trabalho – Com foco em atividades práticas e projetos, o Novo Ensino Médio busca preparar os estudantes para o mercado de trabalho, proporcionando-lhes habilidades e competências essenciais para o sucesso profissional.
  4. Reduzir a evasão escolar – Ao oferecer um ensino mais atraente e alinhado com as necessidades dos estudantes, espera-se que a evasão escolar seja reduzida, mantendo os estudantes mais tempo na escola e, consequentemente, melhorando a sua formação educacional.

 

Por que o cronograma de implementação do Novo Ensino Médio foi suspenso?

Desde o retorno presencial depois da pandemia de Covid-19, o Novo Ensino Médio tem enfrentado desafios na sua implementação em todo o país. Diferentes estados têm níveis de implementação variados, e muitas escolas públicas enfrentam dificuldades em se adaptar ao novo formato, principalmente por falta de infraestrutura.

 

Cada escola deve escolher, no “cardápio” de itinerários formativos elaborado por sua rede estadual, no mínimo duas opções para oferecer aos estudantes, o que pode ser um desafio para escolas com poucas salas de aula disponíveis.

 

Além disso, o aumento da carga horária, que deve chegar a 7 horas diárias em 2024, pode ser um obstáculo para estudantes de baixa renda que precisam trabalhar para ajudar a família. Isso pode aumentar o risco de evasão escolar.

 

Com a entrada das novas ofertas, disciplinas clássicas como Português e Matemática têm menos prioridade na grade curricular, o que pode prejudicar o aprendizado dos estudantes nesses temas fundamentais.

 

Outra questão: estudantes de escolas públicas em cidades menores, com menos recursos, podem ter um “cardápio” de itinerários formativos mais limitado em comparação com estudantes de escolas privadas ou de municípios maiores. Isso pode agravar ainda mais as desigualdades educacionais no país.

 

Entidades afirmam que a legislação que instituiu o Novo Ensino Médio não foi discutida com todos os setores da educação, o que pode ter impactado sua implementação. Atualmente, por decisão do Ministério da Educação, a implementação está suspensa por 60 dias. E também foi adiado o cronograma que previa a criação do Novo Enem em 2024.

 

Principais desafios na implementação dos itinerários formativos

Tanto as escolas públicas quanto as particulares vêm tendo dificuldade na implementação dos itinerários formativos, principalmente em dois pontos específicos:

 

Falta de preparo dos educadores

Um dos principais desafios na implementação dos itinerários formativos é a falta de preparo dos educadores. A mudança no formato de ensino exige que eles estejam preparados para atender às necessidades dos estudantes em áreas específicas do conhecimento. No entanto, muitos ainda não têm a formação necessária para atender a essa demanda.

 

A principal dor é que a formação desses profissionais não deve se limitar apenas à sua área de especialização, mas também à capacidade de trabalhar em equipe e colaborar com outros educadores.

 

Para resolver esse problema, é necessário investir na capacitação de educadores, de modo que as escolas possam oferecer uma educação de qualidade aos estudantes. A formação deve ser constante, para que os educadores possam se atualizar e se adaptar às mudanças no ambiente educacional.

 

É importante que as escolas e as redes de ensino ofereçam aos educadores variados programas de formação – cursos, treinamentos, workshops e grupos de discussão –, propondo a eles um novo papel em sala de aula: o de facilitador.

 

Um educador que atua como facilitador deve assumir um papel mais ativo no processo de aprendizagem dos estudantes. Em vez de apenas transmitir informações e conhecimento, ele deve ajudar os estudantes na descoberta, exploração e construção do próprio conhecimento.

 

Para isso, o educador deve:

 

  • Estimular a curiosidade e a criatividade dos estudantes, incentivando-os a fazer perguntas, buscar respostas e desenvolver soluções para os problemas.
  • Proporcionar um ambiente de aprendizagem colaborativo, no qual os estudantes possam trabalhar em equipe, compartilhar ideias e opiniões e aprender uns com os outros.
  • Oferecer atividades e desafios que promovam, entre os estudantes, a autonomia e a responsabilidade por sua aprendizagem, permitindo que eles definam metas, avaliem o próprio progresso e desenvolvam habilidades de autoaprendizagem.
  • Utilizar diferentes recursos e tecnologias para apoiar a aprendizagem, oferecendo aos estudantes uma variedade de fontes de informação e formas de aprendizado.
  • Ser guia e mentor para os estudantes, oferecendo orientação e feedback construtivo, ajudando-os a refletir sobre a própria aprendizagem e a desenvolver habilidades de pensamento crítico e resolução de problemas.

 

Tecnologia deficiente

A adoção de tecnologia educacional pode ser um grande apoio na implementação dos itinerários formativos, permitindo que os estudantes tenham acesso a recursos on-line, plataformas de aprendizado e ferramentas de ensino a distância. No entanto, a maioria das escolas brasileiras ainda enfrenta desafios na adoção de tecnologia educacional.

 

A falta de investimento em infraestrutura e a falta de capacitação dos educadores em tecnologia são alguns dos principais obstáculos. Para resolver esse problema, é necessário investir nessa área, fornecendo recursos e infraestrutura para as escolas se adaptarem e se desenvolverem.

 

As redes de ensino também devem investir em programas de capacitação em tecnologia para os educadores, de forma que eles possam utilizar adequadamente as ferramentas disponíveis.

 

Existem diversas tecnologias que podem auxiliar os educadores no desempenho de sua função – ensinar –  de forma mais eficiente. Algumas delas:

 

  • Plataformas de aprendizagem on-line, que permitem o acesso a conteúdos digitais de qualidade. Além disso, proporcionam interatividade e personalização do ensino de acordo com as necessidades de cada estudante.
  • Ferramentas de criação de conteúdo, como editores de vídeo, áudio e imagem, que podem ser usadas para criar materiais didáticos mais dinâmicos e atrativos para os estudantes.
  • Aplicativos educacionais – jogos, simuladores e outras ferramentas – que podem ser usados para tornar o aprendizado mais lúdico e envolvente.

 

Como usar o EAD nos itinerários formativos de forma adequada?

O EAD, ou ensino a distância, pode ser muito útil para complementar o aprendizado dos estudantes nos itinerários formativos. Por meio dele, é possível oferecer conteúdos extras, exercícios, vídeos e jogos educativos, bem como permitir a comunicação entre estudantes e educadores em horários flexíveis.

 

Imagine que um estudante esteja cursando o itinerário de Comunicação Digital em uma escola que não tem estrutura necessária para oferecer aulas práticas com ferramentas digitais. Com o EAD, esse estudante pode ter acesso a cursos on-line, tutoriais e simulações de ferramentas. Isso pode ser um grande diferencial na hora de buscar colocação no mercado de trabalho.

 

Disponibilize diferentes formatos EAD

O EAD também pode ser usado para oferecer aulas síncronas e assíncronas, ou seja, aulas ao vivo e gravadas, respectivamente. Dessa forma, os estudantes podem assistir às aulas no horário mais conveniente para eles e rever o conteúdo sempre que for preciso.

 

Entretanto, é importante ressaltar que o uso do EAD como diferencial nos itinerários formativos deve ser  planejado, estruturado, com um ambiente virtual de aprendizagem bem-organizado e de fácil acesso aos estudantes. É necessário também garantir que os estudantes tenham acesso à tecnologia necessária para acompanhar as aulas on-line.

 

O EAD não substitui completamente as aulas presenciais, mas pode ser uma ferramenta valiosa para complementar o aprendizado e oferecer mais opções aos estudantes. Com uma estrutura bem-planejada, o EAD pode ser um grande diferencial nos itinerários formativos, tornando-os mais atrativos e eficientes para os estudantes.

 

Oferte conteúdos que atraiam mais estudantes e aumente a satisfação dos responsáveis

Ao oferecer aos estudantes uma variedade de disciplinas e atividades que vão além do currículo básico, as escolas podem se destacar e atrair mais estudantes. Mas quais são os melhores conteúdos para se destacar?

 

Bom, isso vai depender do perfil da escola e dos interesses dos estudantes e dos responsáveis. Por exemplo, se a escola tem vocação para a área de tecnologia, pode oferecer disciplinas como programação, habilidades digitais e inteligência artificial. Se a escola tem forte tradição nas artes, pode oferecer disciplinas relacionadas à música, ao teatro e às artes visuais.

 

Outra opção é oferecer itinerários formativos que sejam interdisciplinares e bilíngues, trazendo temas atuais e relevantes para discussão ao mesmo tempo que estimula a aquisição de uma nova língua. Por exemplo: um itinerário formativo que aborde questões relacionadas ao meio ambiente e à sustentabilidade pode envolver disciplinas como Biologia, Química, Geografia e Sociologia com conteúdos 100% em inglês.

 

Utilizando os itinerários formativos como um diferencial competitivo no mercado educacional

Para se destacarem nesse mercado altamente competitivo, as escolas precisam oferecer um ensino de qualidade, que atenda às demandas do mercado e às necessidades dos estudantes.

 

A seguir, apresentamos alguns pontos que mostram como os itinerários formativos podem ser um diferencial competitivo.

 

Customização do currículo

Os itinerários formativos são uma ferramenta poderosa para a customização do currículo escolar, permitindo que as escolas ofereçam opções mais diversificadas e personalizadas aos estudantes. Com essa flexibilidade, é possível atender às necessidades e interesses desses estudantes, tornando o aprendizado mais engajador e significativo.

 

As escolas que se dedicam a desenvolver itinerários formativos criativos e bem-estruturados estão preparando seus estudantes para uma formação mais completa e alinhada às suas escolhas pessoais e profissionais.

 

Preparação para o mercado de trabalho

Uma das principais vantagens dos itinerários formativos é a possibilidade de planejar o currículo para o desenvolvimento de habilidades e competências específicas valorizadas pelo mercado de trabalho.

 

Ao oferecer uma formação mais prática e direcionada, as escolas estão preparando os estudantes para enfrentar os desafios e as demandas do mundo profissional. Os estudantes que passam por itinerários formativos bem-estruturados e personalizados estão mais preparados para ingressar no mercado de trabalho, se destacar e progredir na carreira escolhida. 

 

Parcerias com empresas e instituições

As escolas que oferecem itinerários formativos podem estabelecer parcerias com empresas e instituições para oferecer aos estudantes experiências práticas e estágios na área escolhida.

 

Essas parcerias podem ser uma grande oportunidade para que os estudantes tenham contato com o mercado de trabalho, conheçam as possibilidades de atuação em sua área de interesse e desenvolvam habilidades específicas. Tais parcerias também podem ser uma fonte importante de recursos e conhecimentos para as escolas, que se beneficiarão de um contato mais próximo com o mundo profissional.

 

Reconhecimento e prestígio

As escolas que oferecem itinerários formativos de qualidade podem ganhar reconhecimento e prestígio no mercado educacional. Isso pode atrair mais estudantes e ajudar a consolidar a posição da escola no mercado. O reconhecimento também pode ser um fator importante na escolha de instituições de ensino por parte dos pais e responsáveis pelos estudantes. Ao se dedicar a oferecer uma formação mais personalizada e alinhada às demandas do mercado de trabalho e da sociedade moderna digital, as escolas podem se destacar e conquistar um lugar relevante na educação.

 

Conclusão

Os itinerários formativos podem trazer muitos benefícios para as escolas e para os estudantes, permitindo a personalização do aprendizado, a preparação para o mercado de trabalho e o desenvolvimento de uma segunda língua. No entanto, é necessário fortalecer a estrutura escolar, desde educadores até tecnologia, para que os itinerários formativos possam ser implementados de maneira efetiva. Queremos transformar a educação brasileira e preparar nossos jovens para os desafios de hoje e do futuro.

 


 

Nox Education

Nox Education

Search

Conteúdos mais lidos

Por Milena Mignossi | Assessora Pedagógica Be – Bilingual Education Surama Jurdi diz que “nem tudo é mágica; por trás

A Educação Bilíngue é uma tendência no Brasil, com muitas escolas e instituições educacionais buscando implementar programas que buscam o